Equação fracassada

Ela não era flor que se cheire, mas foi a única menina que eu verdadeiramente amei, talvez por ter sido a primeira, não sei. Mas a paixão me atingiu de uma maneira que nem se quisesse conseguiria explicar. Erámos amigas antes de tudo, nos tornamos amantes, depois veio o nada e hoje eu lido com algumas migalhas dela. Temos algo bem próximo da amizade, contudo ainda vejo a parede de pedras que se ergueu em nosso meio, depois de tudo nunca mais fomos as mesmas.

Ela tá namorando, quando eu soube disso senti um misto de felicidade, pela minha parte que ainda era sua amiga, mas uma tristeza imensa por saber que poderia ser eu, se eu tivesse tido coragem. Ainda tinha uma parte de mim que a antiga garota apaixonada comandava. Eu queria realmente poder imaginar como teria sido caso eu a tivesse convidado para passar um final de semana na minha casa do campo, ou se tivesse simplesmente levado uma rosa quando fui buscá-la na escola, mas eu não consigo, prefiro admitir de uma vez por todas que realmente não era pra ter acontecido.

As vezes eu me culpo por fantasiar tanto o que nós tivemos, acho que faço isso porque ela era um misto de todas as sensações que a paixão provoca. Era tudo mais suave e tão intenso, tudo tão diferente e frustrantemente igual a tantas outras histórias de adolescência. Nós nos entendíamos, mas não nos compreendíamos ao todo, brigávamos por motivos bobos, mas acabavámos juntas no final. Até chegarmos ao nosso limite de idas e voltas.

Erámos uma equação fadada ao fracasso, e ainda por cima, ela cismava em adicionar mais pessoas onde eu pensava que só cabíamos nós duas. Foi bom enquanto durou e durou enquanto estava sendo bom. Eu gostei dela, não a amei como disse, e ela disse gostar de mim, mas confundiu as coisas, talvez eu tenha o feito também, mas ao menos tenho a coragem de dizer que tudo teria dado certo se tivessemos nos contentado apenas como amigas sem somar benefícios.

Anúncios

Sobre ele

Ele tem esse jeito calmo, meigo e lento que nos obriga a ter paciência, mesmo quando queremos apressá-lo nas palavras. Ele consegue discursar por horas sobre coisas que eu nunca ouvi falar e no final me convencer de que aquilo de certa forma é certo. Eu sempre concordo com ele, não por ser submissa, mas porque os seus olhinhos puxados por de trás do óculos transmitem uma verdade que não deixa espaço para dúvidas. Ele simplesmente exala sinceridade. Sinceridade e uma paz de espírito que contagia qualquer lugar tumultuado que ele frequente.

Ele é o típico cara que faz todo mundo parar só pra admirá-lo, não é nem por causa da beleza, isso é o que menos chama atenção nele na verdade, para entender a beleza dele é preciso ir mais fundo do que a aparência, mais longe do que os olhos e os corações de pedra podem chegar, é preciso senti-lo por inteiro, de alma e espírito. É só que a primeira vista ele parece tão diferente das outras pessoas, e quando você chega mais perto só confirma isso. É tão bom estar do lado dele, porque ele nos faz sentir privilegiados por estar ali e ter a honra de compartilhar alguns minutos de conversa boa e risadas espontâneas. Ele é do tipo de pessoa que realmente faz o mundo valer a pena.

 

Eu me sinto tão bem por aprender com ele e por ele saber ouvir as minhas histórias também, temos uma consideração mútua um pelo outro, uma relação de respeito e amizade que só cresce entre nós. Só tenho a agrader por ele fazer parte da minha vida e por me deixar fazer parte da sua também. Obrigada por estar aqui.

 

Amor e ódio

Eu te amei mas você me magoou. Agora quero que você parta para longe e nunca mais olhe para trás, aliás, quero que olhe para trás sim, mas só se for pra ver o meu dedo médio erguido na tua direção. Não tens noção de quanto desprezo eu guardo da nossa relação, nem dos momentos bons sou capaz de lembrar, tenho a impressão que esses nunca existiram de verdade, estou cega de ódio e não consigo imaginar que um dia pude ser feliz ao teu lado. Eu falo de ti em cada esquina, não faço nem questão de esconder meu rancor, porque se um dia te amei, eu já esqueci, agora tudo que habita em mim é a raiva e um coração partido.

Eu bato o pé na antipatia, porque fui doce contigo e tivemos um término cruel, talvez se eu for um pouco mais azeda, eu deixe de fazer papel de tola nas minhas futuras relações. Quem sabe um dia eu possa livrar meu peito de toda essa escuridão, ainda tenho esperanças, afinal, já não foi comprovado que amor e ódio nascem e morrem no mesmo lugar? Talvez esse não seja o meu fim mas sim, um novo começo.

 

 

Dos perigos que a rotina esconde

 

E de repente você está escorado num poste qualquer do metrô, esperando que alguma mudança gigantesca ocorra na sua cruel rotina de trabalhador, o massacre que é viver todos os dias como se fossem o mesmo, o torna cada dia mais refém do poço sem fundo em que se encontra. A depressão começa com um pequeno descuido, um fim de semana que você sacrificou por conta da faculdade, um almoço na casa dos seus pais que você desmarcou pra fazer a hora extra que aceitou pra aumentar o salário. Num dia você está bem e quando volta os olhares para dentro de si, é uma escuridão sem fim.

Calma, respira fundo, agora você já percebeu que tem algo errado, tenta sair da cama e não consegue mais, põe os pés pra fora de casa e insiste em dizer à todos e até pra você que amanhã vai ficar tudo bem, mas olha só, não vai, quanto mais você se atolar em situações que te obrigam a permanecer na mesma rotina, todos os dias, sem nada te surpreender, mais vai se ver perdido num oceano de trevas que não te deixarão em paz.

A solução mais simples seria buscar ajuda, o problema é onde encontrar alguém que não te diga que “tristeza passa, dorme que amanhã tudo volta ao normal.” Você não quer que as coisas voltem a ser como antes, na verdade, nem se lembra como era sua vida antes de ser consumido por essa irritante sensação de que nada está te proporcionando prazer, e que a cama ainda é o lugar que te deixa mais satisfeito no mundo, as companhias de antes parecem não fazer mais nenhuma falta, e o seu chefe continua pedindo que ligue para ele o mais rápido possível.

A coragem veio, seus olhos se abrem, você veste as suas roupas e sai para caminhar, anda por horas na rua e não vê nada demais, tudo ainda lhe parece tão comum, que nem dá vontade de observar, volta pra casa ao fim do dia mais saturado do que quando saiu, ainda por cima a tristeza dos outros te contagia e você arranjou mais um peso pra carregar. Teus pais ligam preocupados, te chamam pra conversar e você não tem nenhuma explicação para como estava em um dia com uma chateação boba e do nada se enfiou num temporal sem chance da chuva estiar. Olha fundo nos olhos deles e pede desculpas sem ao menos saber o que o faz sentir tão culpado.

As lágrimas nem o incomodam mais, já caíram tão livremente nos últimos meses que não sente mais quando elas estão a molhar suas bochechas, esse talvez seja o seu real problema, se acomodou demais, e quando foi perceber, não dava pra voltar atrás. De repente você está escorado num poste qualquer do metrô, esperando que alguma mudança realmente significativa ocorra na sua cruel rotina e se depara com uma vontade imensa de mudar, sai andando pelas ruas e nem vê o tempo passar, encontra um amigo antigo, que acabou de se formar, sentam então em uma cafeteria pra conversar.

Não foi nada muito demorado mas alguns minutos de conversa te fizeram se arrepender por não ter saído outras vezes com ele, a conversa estava boa, mas ele tem que ir pra casa descansar, antes de ir embora, te dá um abraço e deixa sobre a mesa um número de celular. Você chega em casa com uma vontade incontrolável de ser novamente a pessoa alegre que já foi um dia, resolve dar um basta nos massacres diários e nos meses sem nem sequer ver a luz do dia. Liga para seu amigo e juntos decidem dar um tempo em tudo, pedem férias do trabalho, você tranca a faculdade e enfim põe em prática o sonho que construíram na adolescência, viajar juntos ao redor do mundo.

Essa mudança repentina de comportamento sempre fez parte da sua tristeza, às vezes você tinha desses momentos súbitos em que sentia-se pronto para recomeçar do zero, então arregaçava as mangas e ia atrás de alguém pra te acompanhar numa nova jornada, você até sentia vontade de se libertar da depressão mas todos ao seu redor estavam ocupados demais com os seus próprios problemas para serem minimamente empáticos com você, a diferença nesse caso foi que o seu amigo estava tão cansado de tudo, da mesma forma que você, ele foi o único a lhe estender a mão porque viu em ti uma chance de também escapar da rotina.

Não quero dizer que a depressão seja um problema pequeno, ou que com um único gesto você vai ter condições de se recuperar, a depressão é uma doença maldita que te consome pouco à pouco, e para finalmente se libertar das garras dela, você precisa além do apoio das pessoas próximas a ti, uma iniciativa própria todas as manhãs, e aproveitar os curtos momentos em que consegue driblar a tristeza extrema para se reconhecer no meio de toda a turbulência. E saber que mesmo com todo o caos você ainda está vivo dentro do seu corpo e que a sua essência permanece a mesma, basta encontrar o momento e companhia certa para se reviver.

A verdadeira amizade

 

Existem pessoas que só de estarem por perto fazem todos os seus problemas irem embora, são pessoas que se tornaram tão importantes pra você que de uma maneira inexplicável concentram mais a sua atenção do que aquele probleminha chato que só dá dor de cabeça. Você passa a contar os dias, as horas, cada segundo para estar novamente com a cabeça escorada no ombro desse alguém tão especial.

É esse tipo de pessoa que lá pra frente, quando tudo estiver desmoronando, vai estar do teu lado e te impedirá de cair, porque independentemente das discussões que vocês tem hoje, tudo que elas querem é que as coisas se acertem pra ti de uma vez por todas. Essas pessoas nunca irão te dar um conselho que não seja para o teu bem, nenhum dos puxões de orelha será para repreender o que tu estás a fazer só por inveja, isso é o que elas mais repudiam na humanidade e não seriam capazes de forma alguma de cultivar sentimentos por ti que não sejam os mais agradáveis possíveis.

Pensando na questão de repreensão, você deve desconfiar dos seus “amigos” que estão contigo o tempo inteiro sem te questionar uma atitude sequer, porquê esses sim são os falsos, não aquele que fica no teu pé quando vê que tu estás fazer uma burrada, não se chateie com estes, a única coisa que querem é te prevenir de futuras incomodações e erros desnecessários. Os que estão o tempo todo de acordo com o que tu fazes, são os que  até querem te ver bem, mais nunca melhor que eles, abra os olhos.

As pessoas especiais nunca estarão dando sopa por aí, e a quantidade delas existente no mundo é limitada, quem tem a sorte de tê-las do lado tem uma joia rara a ser protegida, procure a sua volta, se não encontrar ninguém que você possa dedicar esse texto, seja para os outros a pessoa que é descrita neste.