Término

Espelhos em mil pedaços

Corações em estilhaços

De quem é a culpa pelo nosso fracasso?

 

Realidades distorcidas

A vida sofrida

Quem parte agora,

”Volto logo”ou despedida?

 

Anúncios

O que é ser alternativo?

Se a moda agora é ser alternativo por que passamos tanto tempo tentando nos enquadrar em um certo padrão? Fico realmente surpresa com a necessidade que temos de rotular até o que era pra ser diferente e sem regras. Ser alternativo, é justamente se destacar numa multidão por fugir do considerado “normal”; Ser alternativo é deixar transparecer a sua verdadeira personalidade.

Alternatividade não é escutar uma banda que você não gosta porque todos os outros estão ouvindo, suas roupas não precisam ser iguais as das meninas das fotos do tumblr, basta tu vestir o que te faz bem que tu já vai estar sendo muito cool e ás vezes até mais do que as guriazinhas que postam fotos por lá.

A moda não é ter as melhores fotos, as mais poéticas, as que demonstram ser cheias de conteúdo subentendido; É ser e agir como você se sentir bem. Não interessa quanto dinheiro tu tem pra gastar com aparelhos fotográficos e com decoração nem quantos seguidores tu tem no instagram, a vida definitivamente não gira em torno de números o tempo todo.

Faz o que tu considera mais certo, mantenha a tua essência principal e tu se tornará inspiração para um monte de gente, da maneira mais natural possível, somente sendo quem você é, assim sem pressão nenhuma. Mostra pro mundo quem tu é de verdade e assim transborde alternatividade.

Minha companhia é meu único porto seguro

Palavras não bastam,nunca foram o suficiente, o que eu sou por dentro definitivamente é impossível de descrever.

Me comparo com a calmaria de cidade pequena e devastação da mesma depois de um temporal.

Eu sou feita do caos instável que se instalou em mim anos atrás.

Se não tem paciência pra me me cativar aos poucos, abandone-me de uma vez por todas.

Já me acostumei a fazer da minha companhia meu único porto seguro.

Amo teus defeitos

Encontrei beleza no teu protótipo de barba.

Gostei do teu cabelo e do jeito que ele fica quando você chega atrasado e não teve tempo sequer pra pentea-lo.

Eu gostei da maneira que morde os lábios quando algo dá errado.

Adorei o formato estranho das tuas mãos e os dedos cumpridos.

Me apaixonei por cada defeito que tu dizia ter.

E agora não sei como me convencer que isso é tão errado pra mim.

Tudo bem se quiser mudar de planos

Esse post mais vai parecer um recado para mim mesma do que algo que possa tocar vocês de alguma forma. Eu estou no auge da minha adolescência, 15 anos é uma fase complicada, nessa idade parece que tudo é muito intenso e eu sinto como se qualquer decisão errada que eu tomar vai ser permanente, não falo isso só por causa das consequências dos meus atos mas sim, pela ideia de que o que eu escolher agora terá que ser mantido pelo resto da vida.

Sempre achei que o mundo externo estivesse me pressionando a viver uma vida comum, com faculdade, casamento e todas essas coisas, então eu percebi que era eu mesma que estava colocando um problema onde não existia. Com o passar dos dias eu notei que, caramba, eu tô perdendo tanto tempo pensando no que vai ser de mim daqui pra frente que eu estou esquecendo de viver o agora. O passado não existe mais, e o futuro a Deus pertence, será que é tão difícil para eu entender isso?

Tá tudo bem se eu quiser trocar de curso na faculdade. Não é errado eu querer viajar o mundo só com uma mochila. Eu não preciso planejar quantos filhos eu vou ter e nem com quem eu vou casar. É ok decidir as coisas no impulso, desde que eu tenha a capacidade de decidir pelo o que já conheço de mim. Tem certos assuntos que o melhor a se fazer é calar a razão e seguir o coração mesmo.

Me estressei tantas vezes por coisas bobas que nem influenciam no que eu sou hoje, decisões que eu só preciso tomar lá na frente e me atormentavam desde que tomei consciência de que uma hora precisaria escolher. Hoje eu sei que, não preciso continuar num caminho só porque em algum momento eu comecei a trilhar ele, a nossa vida não precisa ser uma sequência de inicios e permanências sem um ponto final, somos humanos, estamos longe da perfeição, temos total direito ao arrependimento e a errar as vezes.

Espero daqui alguns anos me lembrar desse texto e quando estiver em desespero por causa disso de novo, eu reflita sobre cada palavra aqui escrita. Eu realmente não quero ficar eternamente presa a conceitos fracassados que eu mesma impus a mim. A vida é cheia de altos e baixos, de fases também, por isso é essencial aceitar as mudanças e aprender a lidar com elas de forma sábia e madura.

Maktub

Maktub é a palavra que andam usando para denominar o destino, não importa se você acredita nele ou não, em algum momento você irá se perguntar se os acontecimentos não estão realmente escritos em algum lugar, como um planejamento que alguém fez especialmente pra você.

A palavra maktub tem origem árabe e significa ”estava escrito” ou ”tinha que acontecer”. A crença no destino é determinada por diversos fatores, creio que o principal seja a situação em que você se encontra no momento, quem está numa pior, por exemplo, quer acreditar que vai sair disso logo, se as dificuldades forem muitas, o esperado é que o destino atue sob nossa vida.

Durante toda minha vida eu fui ensinada que todas as coisas que acontecem comigo tem uma razão, um motivo maior, o qual nós não podemos entender agora mas talvez em um futuro até agradeçamos pelos tantos obstáculos enfrentados. Foi só depois do primeiro coração partido que eu entendi o que tentavam me dizer com todos os discursos sobre as lições que a  vida nos dá.

De forma mais clara, se eu não tivesse me decepcionado com uma paixão adolescente, eu não teria aprendido a não confiar nas pessoas tão facilmente, eu seria por muito mais tempo uma criança inocente. Algumas vezes, por mais dolorido que seja o processo de aprendizagem, no final você terá muito mais força para seguir em frente.

Maktub é tirar algo bom de qualquer tipo de situação, é uma palavra dita em momentos de dor e angústia, não é um brado de revolta contra o destino, mas sim, a afirmação de um espírito plenamente resignado diante dos desígnios da vida*.

*Trecho inicial da música vida longa mundo pequeno, da banda oriente.